Categorias: Sem categoria

Novo normal: medição de temperatura e testagem para Covid-19 em colaboradores

A pandemia causou grande impacto na rotina das empresas. E para se manter em operação, muitas delas optaram por reforçar os protocolos de segurança, incluindo controles ainda mais rigorosos, a medição de temperatura e a testagem para a Covid-19.

Uma cena que já se tornou comum é a medição de temperatura nas portas de empresas e estabelecimentos. O aparelho utilizado é o termômetro infravermelho, que permite a aferição sem a necessidade de contato físico. Quem opera o termômetro aponta para a parte frontal da testa e o raio infravermelho fará a medição. Acima de 37,8°C, considerado estado febril, a pessoa não tem permissão para entrar ou trabalhar, sendo orientada a procurar atendimento médico.

Mas, apenas a medição não é sinal de garantia, afinal nem todos os contaminados tem a febre como sintoma. “Um levantamento realizado pela Color, um laboratório médico norte-americano, com mais de 30 mil amostras de pacientes, aponta que 1,3% testou positivo, e destas apenas 12% tiveram a temperatura acima de 37,8ºC, o que é considerado febre.” Além disso, assintomáticos podem passar por esta barreira de controle e propagarem a doença causada pelo vírus. Sendo importante associar a medição de temperatura outras medidas de triagem e segurança, como: uso de máscaras, eventualmente em determinadas situações o uso de luvas, o distanciamento social, higienização constante e disponibilização de álcool em gel 70°.

Utilizando recursos próprios, diversos setores decidiram por fazer testagem em massa para identificar se há a contaminação de funcionários pelo novo coronavírus, ou se eles já foram contaminados e apresentam anticorpos contra a doença. Para os setores listados como essenciais, foi a maneira encontrada de evitar surtos para não se verem obrigados a suspender as atividades, para outros que foram autorizados a retornar ao trabalho, o objetivo é identificar se o ambiente está seguro. É uma iniciativa importante que contribui para o aumento da quantidade de diagnósticos, já que a nível nacional, poucos testes são realizados.

Tipos de teste de COVID-19

Os testes adquiridos pelas empresas variam em tipo, sendo eles:

  1. RT-PCR: a confirmação é obtida através da detecção do RNA do SARS-CoV-2 na amostra analisada, preferencialmente obtida de raspado de nasofaringe.
  2. Sorologia: o exame é realizado a partir da amostra de sangue do paciente e verifica a resposta imunológica do corpo em relação ao vírus. Isso é feito a partir da detecção de anticorpos IgA, IgM e IgG em pessoas que foram expostas ao SARS-CoV-2.
  3. Testes rápidos: similares a testes de farmácia para gravidez. É usada uma lâmina de nitrocelulose (uma espécie de papel) que reage com a amostra e apresenta uma indicação visual em caso positivo.

Dentre os três tipos, o Ministério da saúde apontou os testes rápidos como os menos confiáveis, dada a elevada taxa de erro para resultados negativos.

Os testes devem ser feitos por profissionais da saúde capacitados e aprovados pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Toda coleta de amostras só pode ser realizada paramentados com os EPIs e em local com condições sanitárias apropriadas — o governo permite drive ou walk-thru, laboratórios recomendados ou testagem em domicílio. E em alguns estados, como São Paulo, foram publicados protocolos de autorização de testagem. Dentre as recomendações, as empresas devem, diariamente, aplicar um questionário para saber se o funcionário teve contato próximo com alguma pessoa testada positiva para covid-19 nos últimos 14 dias ou se apresentou algum sintoma relacionado à doença nas últimas 24 horas. Em caso de resposta positiva, o colaborador é considerado caso suspeito e deve ser testado, orientado, e caso o exame dê positivo, afastado. Se a empresa não possuir um número de testes suficientes, a testagem poderá ser feita por amostragem, determinando a testagem por gravidade dos sintomas, risco inerente à atividade, entre outros.

Os empresários, a CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes) e a comissão interna de cada organização, designada para o enfrentamento à Covid-19, devem orientar todos os colaboradores e reforçar o controle e atuar na prevenção rigorosa para evitar o contágio, com planejamento, criação, adequação, implantação e cobrança das rotinas seguras.

Últimos Conteúdos

PGR – Programa de Gerenciamento de Riscos

Um programa, no âmbito da Saúde e Segurança do Trabalho, é definido como uma ferramenta legal que compreende medidas educativas,…

30 de novembro de 2020 12:54

Nova redação da NR18 – O que mudou?

A Norma Regulamentadora 18 estabelece diretrizes de ordem administrativa, de planejamento e de organização para a implementação de medidas de…

1 de novembro de 2020 15:46

Qual a importância da Engenharia de Segurança do Trabalho?

A segurança do trabalho é um campo em evidência no Brasil, já que nosso país apresenta índices alarmantes de afastamentos…

22 de setembro de 2020 19:45

Sonolência, estresse e esgotamento físico: a gestão da fadiga no ambiente de trabalho

O cansaço é considerado uma consequência normal do trabalho, mas, se os limites não forem respeitados, rotinas muito intensas podem…

27 de agosto de 2020 03:17

Covid-19: Análise dos riscos potenciais e o protocolo de prevenção em supermercados, padarias e similares

Para prevenir o avanço da disseminação da Covid-19 em redes de supermercados, padarias e demais comércios alimentícios, considerados essenciais, centros…

9 de julho de 2020 12:16

NR32 – Serviços de saúde – Risco Biológico

A NR 32 é uma Norma Regulamentadora, parte da legislação do Ministério do Trabalho, que estabelece as diretrizes básicas para…

15 de junho de 2020 14:21